Português/comportamento avançado para estrangeiros

Você sabia que no Brasil vc pode ser considerado rude ou “formal” se cumprimentar, se desculpar, agradecer ou pedir licença? Sim!

Por exemplo: Se você disser bom dia todos os dias para a mesma pessoa (no trabalho, p. ex.), isso pode fazer com que vc seja considerado “mala”. “Ai, lá vem o gringo falar bom dia de novo.”

O segredo está na entonação (tudo no Brasil é uma questão de entonação apropriada, como veremos adiante). Ou, o mais indicado, intercale o bom dia (diga-o umas 2x por semana) com um “oi, tudo bem?”. Ou não diga nada, apenas arqueie a sobrancelha e aponte o queixo na direção do interlocutor, se você fizer contato visual. Nós não vamos considerar essa grosseiria algo rude.

Isso vale para pessoas com quem você não encontra com frequência também. Mas, claro, pode dizer bom dia e boa noite (mas atenção ao dizer boa tarde, que só é válido entre 12:00 e 18:00, ou enquanto houver sol. Nós não cumprimentamos, mas sabemos muito bem qual seria o cumprimento correto se cumprimentássemos, de modo que você pode ser advertido por dizer bom dia às 14:00. Com simpatia, claro.)

Muito utilizado é o “pá”, não como o “pá” lusitano; esse é  “opa”, sem o “o”. O “opa” é um cumprimento sem a intimidade do “oi” nem a formalidade de um “bom dia”. É, basicamente, um muxoxo, e isso diz muito dos brasileiros, então pode ir nessa.

Também é visto com estranheza se você cumprimenta alguém inferior a você (no Brasil consideramos inferiores as pessoas visivelmente mais pobres que nós). Ou seja, ao fazer um pedido na padaria ou a um garçom (que o tratará por algo que varia entre “meu amor” e “patrão”), não diga bom dia/boa noite nem oi, vá já direto ao pedido. Mas atenção à entonação! Isso, sim, é fundamental. Então comece a frase com um sorriso (os brasileiros têm um talento especial de serem escrotos com simpatia) e diga levemente cantado e quase sensual: “Me vê dois pãezinhos. Bem morenhinhos, tá?”. Sem “por favor”. Ou você que ser visto como um sujeito “formal”? 

O “com licença”, assim como o “por favor”, é outro caso complicado, porque é uma expressão de civilidade composta por DUAS PALAVRAS. Você pode calcular o esforço que é para os brasileiros dizerem isso. Então eles não dizem nada, eles apenas o empurram ou invadem levemente o seu “espaço pessoal”, de modo a deixar bem claro que o Mogli em questão quer passar e não quer abrir a boca pra isso. 

Os mais educados sibilam um troço como “ss-ss” ou “sensa”, o que, longe de ser sensacional, é apenas um modo rude de fingir que é educado.

A gente não pede “desculpa”, muito menos pede “perdão”, se esbarrar em alguém ou indicar que quer passar. Desculpas são reservadas para situações graves (como desolé, que é mais do que pardon), tipo você derrubou o pote de acaí no vestido branco da moça. “Ai, desculpa!”. Porém em nenhuma situação cotidiana dizemos “sinto muito”. É muito dramático, nada vale essa expressão. 

Mas, de modo geral, diga “foi mal”. Você será visto como “informal” (o objetivo de todos) e educado ao mesmo tempo, uma beleza.

Já falei que os brasileiros não agredecem? “Obrigado” é uma palavra longa (nada como os telegráficos merci, thanks, gracias, takk, grazie etc.), de modo que isso é um problema. Ou não: se o interlocutor for inferior a você, você está socialmente desobrigado a agradecê-lo, seja lá com que expressão for. Diga, sei lá, “tchau”. Já será uma coisa nobre.

Como a gente não diz muito “obrigado”, a resposta ao agradecimento, o outrora famoso “de nada”, é ainda menos usado, pq achamos o “obrigado” tão formal, tão sério e tão grave que ficamos constrangidos de ganhar um agradecimento.

Então tentamos disfarçar esse desconforto maluco com um “magina!” ou “que é isso!”, como se disséssemos: “Pelo amor de deus, NÃO SE INCOMODE EM AGRADECER, eu não fiz nada demais, eu juro”. Aliás, nós dizemos mesmo, quase uma ordem: “não tem o que agradecer”.

Uma opção “informal” para agradecer é dizer “valeu”, mas isso não vale para todas as situações, só entre amigos (ou se o cara for inferior). Igualmente informal é responder ao agradecimento com um “falou” no lugar de “de nada”.

De qualquer maneira, diga “obrigado” sempre, essa é a minha dica. Você vai ser visto como um pouco “formal”, mas foda-se, diga. Por favor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: