Archive for março \23\UTC 2004

23/03/2004

Neptunes es Batman y N*E*R*D es Bruce Wayne.

Pharell Williams

¿Y quien és Robin?

Anúncios

13/03/2004

SEX BOMB

Terror existe há séculos no mundo. Geralmente estavam envolvidas política e religião nos atos de barbárie. Era um aviso, uma chantagem, uma ameaça ou uma resposta claros.

Hoje ficou mais sofisticado e mais brutal. E tornou-se prazeroso pra quem pratica. Caíram as prerrogativas religiosas e geopolíticas e o terror tornou-se diversão em poucos segundos, de proporções globais , principalmente depois do 11/9.

O terrorista hoje esporra nas imagens dos braços pendurados, vísceras nas ferragens e crânios estropiados exibidas na TV e internet e limpa esse gozo com o caderno especial “Terror” do jornal. Esteja o sujeito onde estiver, sempre haverá alguma imagem do que ele fez repetida muitas vezes ou ampliada o bastante para o orgasmo mais demente da história.

Terrorismo virou fetiche, algo sem propósito, como sado-masoquismo ou golden shower. Ninguém vai conseguir mudar, ganhar nem melhorar nada com tais atos; é o prazer pelo prazer. No terror, o tesão é ativado quando há corpos dilacerados de gente comum, quando o planejado dá certo, quando os aviões ou trens são destruídos como se uma orquestra estivesse sendo regida.

O tal cheiro de carne queimada provoca mais ereção que Viagra em terroristas, geralmente homens – isso é brincadeira masculina. Claro que ele não precisa sentir esse cheiro, mas ter certeza de que ele vai surgir segundos depois do que o que ele planejou tiver dado certo. Oh, yeah.

O preparo do ato terrorista é o galanteio da dama; as mochilas com explosivos, os planos mil vezes calculados e checados, tudo isso provoca a mesma expectativa de sucesso de uma trepada. E, bum!, lá se vai tudo pelos ares, exatamente como pensado, rápido e relativamente fácil, como se os mortos fossem putas para as quais não é necessário pagar nada.

Assim como acontece com sexo, é impossível proibir ou coibir terrorismo. Sempre há novos meios invisíveis de satisfação.

13/03/2004

DAMN RIGHT

My milkshake brings all the boys to the yard,

And they’re like, “It’s better than yours”

Damn right, it’s better than yours,

I can teach you, but I have to charge


Kelis

11/03/2004

Zzzz MIX

Programão. Duas horas e dez minutos com:

Tomoyasu Hotei

Blondie

Monkey Mafia

Michael Jackson

Sideral

Unkle

DJ Shadow (Roots Manuva e Soulwax remixes)

Superpitcher

Larry Young’s Fuel

Dakar & Grinser

Lo-Fidelity Allstars

Nina Hagen (Chicken Lips remix)

DMX Krew (Aphex Twin remix)

Slam (Two Lone Swordsmen remix)

Sidney Magal

David Bowie (com vocal convidado haha)

The Roots

Basement Jaxx

Outkast

Kraftwerk

Shocking Blue

Fannypack

Dandy Warhols

Queen of Japan (que faz cover do Kiss, não do Queen, seus bêbados!)

PJ Harvey

e muito mais

Sei lá em que ordem.

10/03/2004

MELÔ DO WALDOMIRO

Sei que você fez os seus castelos

E sonhou ser salvo do dragão

Desilusão, meu bem

Quando acordou, estava sem ninguém

Sozinho no silêncio do seu quarto

Procura a espada do seu salvador

E no sonho se desespera

Jamais vai poder livrar você da fera

Da solidão

Com a força do meu canto

Esquento o seu quarto pra secar

Seu pranto

Aumenta o radio

Me dê a mão.

Você precisa é de um homem

Pra chamar DIRCEU

Mesmo que esse homem seja eu

Um homem pra chamar DIRCEU

mesmo que seja eu

09/03/2004

AVE MARIA!!!

Alguém agüenta mais essa “polêmica” em torno do filme do Mel Gibson? Depois do fracasso completo de “Coração Valente”, finalmente o “mad max” aprendeu a ganhar dinheiro. Tudo em nome de jesus. Amém?

Agora parece que um advogado judeu quer que o filme seja proibido no Brasil. Como o filme não estreou ainda, o tal Goldenberg comprou um DVD pirata na Augusta. Diz que o filme pode “conduzir à discriminação anti-semita”. E o que ele fez ao comprar um DVD pirata pode conduzir ao quê?

Ah, vai comer cheeseburger e não enche o saco.

E esse Goldenberg não está ganhando um centavo de Mel Gibson para promover o filme. Se a mãe dele descobre…

E o rabino Henry Sobel, que até hoje imita sotaque americano, diz que “só vai dar opinião com conhecimento de causa depois de ver o filme”. Ah, não! Querro que o senhorrra diga agorra o que achou da filme!

E esse título, “The Passion of the Christ”. Põe o Sobel pra traduzir ao pé da letra: A Paixão DA CRISTA, rararara. The Passion of the Christ of the Wave, a saga do surfista kosher e bronzeado detonando as ondas em Saquarema. Falado em aramaico e carioca!

09/03/2004

Jay-Z já anunciou a aposentadoria algumas vezes, Puff Daddy (P. Diddy ou Sean Combs ou P. Daddy ou Sean Diddy ou P. Dinte) jura que o próximo disco é o último dele.

Quem vai ser o primeiro rapper brasileiro a se aposentar? E, o mais importante, quando isso vai rolar??

Demorô, rarararara.

Se bem que se rapper tomasse tanta cerveja quanto sambista, isso nunca aconteceria.

09/03/2004

Product Placement on Tour Live DVD.

Deve ser uma beleza, com DJ Shadow e Cut Chemist.

08/03/2004

O melhor da mostra “Picasso na Oca” não é a exposição, fraquíssima -quase vexatória em sua nenhuma represenatividade do pintor, sem falar nos textos melodramáticos-, mas a presença de Oscar Niemeyer numa sexta-feira chuvosa. Acompanhado de Edemar “mil dentes” Cid Ferreira, o comunista mal conseguia subir aquelas porcarias de rampas que ele mesmo construiu.

Você pode ser piedoso e alegar que ele tem quase 100 anos. Mas qualquer arquiteto constrói obras das quais pode usufruir por toda a vida. Não Niemeyer, que construiu Brasília, cuja funcionalidade é a mesma de uma “couture” de John Galliano, e mora no Rio. Construiu a Oca e não consegue usá-la.

Alguma coisa deu errado, camarada…

08/03/2004

Senhoras e senhores, Prince volta a partir de 29 de março na turnê Musicology, que vai de uma costa a outra nos EUA. O disco, de mesmo nome, vem no final do ano sei lá em qual formato.

Sweet.

08/03/2004

Aposto 50 libras que você conhece pelo menos um 50-quid man.

E isso é um acontecimento inédito.

05/03/2004

Os desfiles da SP Fashion Week deviam seguir os mesmos procedimentos dos desfiles de escola de samba, já que as famosas baianas estão em qualquer tipo de desfile.

Os piores desfiles desse “grupo especial” tinham de ser rebaixados para a Casa dos Criadores, o “grupo de acesso fashion”.

Aí o nível ia melhorar, e esses estilistas de butique de bairro poderiam arrotar menos atitude. A coisa funcionaria na humildade e no profissionalismo hype. Em 2004, quem botasse uma coleção electro ou anos 80 na avenida, cairia sem perdão. O mesmo vale para looks new wave. Tchau. Isso é o equivalente a homenagear Xuxa em escola de samba.

Importante: moda infantil deve ser tratada como tal, não como “tendência” e “irreverente”. Por fim, cópia de desfiles estrangeiros implica eliminação do jogo.

Então, aos quesitos de julgamento dos desfiles de moda:

– evolução (em relação ao desfile anterior hahaha)

– harmonia (dos tecidos, proporções etc.)

– fantasia (afinal, it’s all about that)

– alegoria e adereços (idem)

– trilha sonora (cada desfile usa música e djs *diferentes* entre si)

– abre-alas (gisele, gringa ou ator da Globo são opções de risco)

– cenário (a única coisa que presta na moda atual, o que é um contra-senso)

Claro que o julgador dos quesitos não seria nenhuma Lecy Brandão clubber, que estaria muito envolvida com a comunidade, ops, mundinho e conheceria todas as “tias”, digo, drags da velha-guarda.

05/03/2004

Como alguém pode ser contra a proibição de bingos, esses monumentos ao mau gosto e à cafonice hardcore? Chega de fontes luminosas, cascatas com efeitos, veludo vinho, dessa gente que trabalha vestida como se estivesse em las vegas e como se las vegas fosse legal. Basta desses letreiros de puteiro pela cidade, dessa água que escorre pelas paredes, desse tapete encardido e encarnado nas calçadas. Abaixo a “estética” amaury jr!