Archive for outubro \31\UTC 2002

31/10/2002

WOO-HOO

Jihad destrói as ondas, bro!

31/10/2002

ASSASSINA ESSA BAIANA

Socorro!!!!!!!! Você já ouviu a versão de Music, de Madonna, feita pela Adriana Gafanhoto? Em termos de baianice e medonheira, ouso dizer que supera os Tribalistas, o equivalente musical ao Holocausto.

O estupro de Music é cometido com a ajuda do comparsa Paulo Jobim, que toca um pianinho fuleiro. No auge do atentado, a joselita gaúcha substitui I like to boogie-woogie da original por um inacreditável I LIKE TO SAMBA-REGGAE!!

Alguém joga gás de teatro russo na buceta tingida dessa porra, pelamordedeus!

Como diria Madonna, Die Another Day!

30/10/2002

THE STONE ROSES VIDEO COLLECTION

Ian Brown é um sujeito legal, além de educado. The Stones Roses é daquelas bandas que os ingleses chamam de “one of a kind”. Aproveite e veja abaixo todos os clipes dos roqueiros lisérgicos:

  • Fools Gold
  • Begging You
  • One Love
  • I Wanna Be Adored
  • Love Spreads
  • She Bangs the Drums
  • Ten Storey Love Songs
  • Waterfall
  • 30/10/2002

    DE NADA

    Seja sincero, você lê este blog e fica muito mais informado sobre música e fait divers do que se lesse qualquer outra publicação, não é?

    30/10/2002

    GÂNGSTER

    Brasília terá mais 4 anos de terRORIZmo. E, por falar no limítrofe mais poderoso do país, aqui estão as censuradas gravações telefônicas que envolvem o governador semi-analfabeto e os ladrões e irmãos Passos.

    Alerto que o idioma falado pelos interlocutores é desconhecido.

    30/10/2002

    MARROM

    A farofa predileta de Alcione, segundo a própria num programa de TV: NESTON COM CARNE SECA.

    Essa é a receita do corpinho sarado, dos cabelos loiros e das unhas resistentes da maranhense de hábitos exóticos.

    30/10/2002

    JORNALISMO SHREK

    Poucas vezes li coisas tão cretinas como a capa do caderno de informática da Folha de hoje (sem link, ninguém merece). Cretinice é a única palavra que pode traduzir algo cujo título é: O lado negro da banda larga (negro é sinônimo de mal?). Segundo a publicação, o tal lado “negro” é a possibilidade de se viciar jogando games online (?). E ainda são imbecis o suficiente para citar duas mortes em LAN houses sul-coreanas como “prova” do malefício da banda larga (?!).

    Pergunto eu: o editor desse lixo é deficiente mental? Se sim, a Folha é o único jornal do mundo a praticar ação afirmativa para mentalmente incapacitados dentro da Redação. Se não, é a maior estupidez propositalmente impressa em 2002.

    Como aqui não apenas se achincalha quem merece, sugiro a matéria “O Lado Negro do Satélite” sobre o excesso de violência e sexo na TV. Que tal? Bem inteligente, não é?

    29/10/2002

    MICRODISCO

    Metro Area faz de sons familiares da disco e new wave uma nova música. Já chamaram isso de Disco Digital, que não agradou à dupla. Enfim, Metro Area está relacionado a Akufen, apesar dos resultados diferentes, pelo modus operandi.

    Como você sabe, o meu primo Morgan Geist é do Metro Area, então considere este um post recomendado pela direção do blog.

    29/10/2002

    TREVAS

    Depois do projeto überbaiano que reúne os reis do equívoco, Marisa “teatro infantil” Monte, Arnaldo Picaretunes e Carlinhos Brownie, o Brasil recebe o show de Gene Loves Jezebel no dia 28 de novembro.

    Terroristas, por gentileza, o que vocês estão esperando?

    29/10/2002

    BOBÃO

    Vinham notícias de vários países que Ken Park, novo filme de Larry “Kids” Clark, era polêmico, fez com que pessoas deixassem a sala de exibição em Cannes, provocava enjôos etc. Ótimo, pensei, vou ver.

    Pena que o bobo tenha se tornado sinônimo de “polêmico” nos dias de hoje e tudo fique por isso mesmo.

    29/10/2002

    LARICA

    29/10/2002

    DICA DE SUCESSO

    Para relaxar e aliviar as tensões no trânsito, ouça no seu carro Metal Machine Music, de Lou Reed. Esse disco também é indicado para consultórios dentários, elevadores e momentos de meditação em geral.

    Sabe aqueles discos com sons da natureza? Well…

    28/10/2002

    ZEIT-DISCO DO DIA

    P.H. Test/Two Le Peuple de l’Herbe.

    28/10/2002

    Marisa Leticia é o que há!

    28/10/2002

    QUEEN OF THE STEEL AGE

    Foi mesmo emcionante a comemoração na av. Paulista ontem. Palavras de quem pouco se importa com emoções e política.

    Mas bem que o Lula podia ter entrado ao som de We Will Rock You!

    28/10/2002

    CIVISMO

    Agradeço ao meu Pai:

  • Por ter me ensinado a votar
  • Por sempre ter se posicionado, claramente, à esquerda no espectro político
  • Por tê-lo feito com coerência e, muitas vezes, com coragem
  • Por sempre ter votado no seu candidato preferido cuja escolha era pautada por questões ideológicas
  • Por nunca ter anulado nem sequer cogitado a hipótese de “voto útil”
  • Por acreditar que é possível honestidade, seriedade, retidão e competência em cargos públicos
  • Por tratar essas qualidades com intransigência invejável
  • Por ter comprado Pasquim
  • Por gostar de John Lennon e Luiz Gonzaga
  • Pelo engajamento por pura convicção, de Miguel Arraes em 1978 a Geraldo Magela em 2002
  • Por ter feito e por não ter feito greves, quando essa era a opção que considerava mais justa
  • Por não ter vergonha de exibir a sua opção política sob nenhuma circunstância
  • E congratulo-o por ter votado, pela primeira vez na vida dele, no presidente que foi eleito.

    25/10/2002

    TAÍ

    O mais legal de Jackass é ver americanos se foderem.

    25/10/2002

    NAGÔ

    Já tinha presenciado muita baianada nesta vida, mas o Micahall, a micareta do Credicard Hall, supera até coluna clubber de jornal!

    É de foder.

    25/10/2002

    PERESTROIKA

    O grupo punk Tchotchotas Tchetchenas está se aproveitando da ação dos rebeldes em Moscou e acaba de lançar um single de ocasião, Senta no Putin, que flerta com os anos 70, revisita a melancolia industrial e tem tudo para ser uma música seminal que dialoga com o tosco.

    25/10/2002

    INDECISO

  • Lula, responda com clareza: O sr, se eleito, pretende quebrar a patente do Vick Vaporub? Outra pergunta relevante: como o sr. planeja acabar com a farra das guest lists nos clubs da moda?
  • Serra, esqueça o debate e responda: O sr. pretende criar leis de fomento ao drum’n’bass com vocal? E vou mais longe: quais são os programas que o sr. pretende implementar nas escolas de ensino fundamental para estimular o uso de sintetizadores pela população?
  • 25/10/2002

    IG-NARO

    Era só o que faltava: o rei dos animais usar o meu nome em vão.

    24/10/2002

    SOUND+VISION

    Trechos de discursos de Bush sampleados por Coldcut em Paris, no show onde eles foram também VJs _junto com Headspace no excelente e inovador projeto Gridio_, no Beaubourg, mesmo lugar onde rolou o show do Herbaliser em maio.

    “Destructive intentions, mad ambitions”, diz o scratch visual de Bush na ONU.

    Imperdível.

    24/10/2002

    ASSALTO CULTURAL

    Com o que está acontecendo em Moscou, é mais do que evidente o perigo que representa uma peça musical nos dias de hoje. Se querem mesmo acabar com o terror, a primeira providência é determinar que toda e qualquer peça teatral seja falada, jamais cantada. Para o bem da humanidade!

    24/10/2002

    GÊNESIS

    Rua Maria da Conceição Viana, 931. Muro baixo, com um árvore de “coração de nêgo” na calçada, jardim com uma pequena árvore onde luzes eram colocadas em dezembro, canteiros margeando a entrada com escada. Marcelo, Roberta e Juliana moravam lá. Era a casa perfeita para eles, crianças em escadinha. Silvana era o bebê temporão que acabara de chegar e que Marcelo adorava, amava, apesar de ter nascido menina (mais uma!), e não o que planejara ser o seu novo melhor amigo, um irmãozinho.

    Na casa do lado direito moravam o seu Galba e a dona Maria, dois senhores que tinham o hábito de sentar na calçada e conversar com amigos da vizinhança à tarde. Tinham duas filhas, Fernanda bem mais velha do que as crianças da rua, e uma outra que morava no Rio e aparecia durante as férias escolares com as filhas, Zinha e Lana. Seu Galba tinha vários passarinhos; seu quintal era decorado com dezenas de gaiolas com bichos cantores de todas as cores. De manhã era uma orquestra. Além dos pássaros, havia Pitu, um vira-lata de meter medo em crianças pequenas.

    Do lado direito à casa das aves, ficava uma mansão, onde os riquinhos Joaquim, José Augusto e Patrícia moravam. Muro branco altíssimo, com piscina, campo de futebol, Atari 2600, dezenas de papéis carta perfumados e sala de sinuca (ainda não descobri porque os mais ricos precisam ter sinuca…). A casa, de esquina, dava volta no quarteirão e só terminava na rua paralela à Maria da Conceição Viana.

    Do lado esquerdo ao nº 931 moravam Leonor e o marido militar, casal pacato cujos filhos eram igualmente calmos. Tinham um TL. Vizinho a eles, estava a casa mais animada da rua. Geo era o melhor amigo, da mesma idade, moleque pouco chegado aos estudos, mas que jogava bola e fazia pipas com desenvoltura invejável. Seus pais eram Beth e Geraldo. Ela, dona de casa que adorava uma cervejinha, organizava a festa junina local, promovia sempre um réveillon agregador e fazia questão que a Copa fosse vista na casa deles. Geraldo era mais sério, advogado de anel no dedo e cabelos impecavelmente penteados, mesmo depois de chegar do trabalho de ônibus. Guiga era o filho mais velho, adorado por todos, com um senso de humor encantador e, muitas vezes, mais esperto do que Geo. Abraçava e beijava quem quer que fosse, numa genuína demonstração de afeto. Tinha cabelos loiros e lisos, quase o oposto de Geo, de carapinha castanho-escuro. Guiga sempre acordava mais cedo, fazia o café da manhã e era conhecido por comer muito ovo. Todo mundo fazia festa para Guiga, que ocorreu ter nascido com Síndrome de Down.

    Mais adiante, ao lado da casa de Geo, moravam Camila e sua irmã, cuja mãe era uma barraqueira de marca maior, dessas de sair correndo pela rua com chinelo na mão para bater nas meninas. Dona Iraci morava na casa ao lado. Senhora simpática, se não me engano viúva, tinha adotado Paula, mais ou menos da mesma idade das crianças.

    Denise era a mãe carioca de Henrique, Nina e Diana, mais conhecida como Popota, vizinhos de dona Iraci. Os filhos, muito amigos das crianças, não eram bem vistos pelos pais. Henrique era arruaceiro, um semi-marginal. Nina, a filha mais velha, tinha fama de vadia, gostosa que era. Sempre de shortinhos a provocar com sua pele morena e seus papos sacanas. Popota, a caçula, era igualmente safada, apesar de magra e feia. Era impressionante a quantidade de vezes que Henrique apanhava da sua mãe _muito mais do que Geo apanhava de Beth; as melhores surras que Geo levava coincidiam com a chegada do boletim cheio de notas vermelhas. Nina também levava as suas, mas isso durou até os 15 anos, quando ela se tornou mãe.

    Na esquina, vizinha de Denise, morava Juninho, criança mais nova que as demais e tido como baitola e, por isso, alvo de brincadeiras de todo o tipo.

    Todas essas casas ficavam do mesmo lado da rua. No lado oposto só havia duas casas: a do procurador assasinado na padaria Pedro Jorge de Melo e Silva, a mulher e suas filhas, Roberta e Bianca, que moravam na esquina em frente à casa de Juninho. A outra ficava em frente à casa de Geo e era uma beleza. Lá morava Carminha, o marido e os filhos, mais velhos do que as crianças da rua. Donos da papelaria C. Matias, tinham uma casa “boa”, muro alto e piscina onde as crianças brincavam de vez em quando. Dois grandes terrenos baldios preenchiam o restante do outro ladao da rua.

    Eram nessas áreas de mato e pés de mamona que Marcelo e Geo, mas principalmente Marcelo, se divertiam incendiando o mato e palhas de coqueiro e algum lixo, uma beleza de material inflamável.

    A rua era bastante apropriada para as crianças porque não era asfaltada. A areia era o piso ideal para jogar bola (de futebol ou de gude) e também para atolar carros em dias de muita chuva.

    Foram anos incríveis, memoráveis, os primeiros anos das vidas dessas crianças.

    23/10/2002

    VACA

    Fabíola era uma amiga divertida na universidade. Gordinha, baixinha, sempre com a mão na cintura, por pouco não era confundida com um penico. Sempre de calça de moleton e camiseta folgada, Fabíola era o par ideal para as aulas de Estética e Cultura de Massa. Bastava a professora Clara Alvim pôr os pés na sala que eu comentava algo que fazia Fabíola ficar roxa de rir _até ter fôlego para replicar outra infâmia e assim por diante. Não à toa, essa foi a única vez que fui expulso de uma aula na universidade. Fabíola foi expulsa comigo.

    Só isso já bastaria para que houvesse alguma cumplicidade para o resto da vida, mesmo que nossa amizade fosse circunscrita aos horários de aula. Depois desse período da expulsão da sala, lembro que ela emagreceu muito; a mudança foi radical, tipo Lucília Diniz. Tão brusca que ela passou uns dois meses respondendo a questões das outras meninas, cuja avidez por informações é a mesma que as mulheres de hoje têm pela tal chapinha japonesa.

    Enfim, com o passar dos semestres, eu e Fabíola não fazíamos mais matérias juntos, então o nosso assunto em comum rareou. Não a via havia uns oito anos. Ontem, num cinema distante 1.000km de onde costumávamos zoar com professores, vejo Fabíola lendo jornal numa mesa na entrada de um cinema. Ela voltou a ser gordinha novamente e ainda é fiel à calça de moleton, igual aos velhos tempos. Titubeei em falar com ela (demorou para me lembrar do nome dela, hehe), mas encorajado fui lá.

    _Oi… Você é Fabíola, não é?

    _Hã? (careta de quem está vendo um ET)

    _Err… você não estudou em Brasília?

    _Hã? Não, não… (careta de quem viu o mesmo ET vomitar)

    _Ah.. tá bom… Desculpe….

    Num estalo, havia um outdoor de 1,83 m com neóns piscantes que diziam LOSER caminhando com um saco de pipoca nas mãos. Foi péssimo. Mas era Fabíola; quanto mais ela respondia e fazia caretas, mais eu tinha certeza de que ela era Fabíola. Que ela não tivesse me reconhecido até entendo, mas negar o próprio nome? Por que raios Fabíola agiu assim?

    Como disse um amigo meu, ela deve ter sido escolhida para o Big Brother 3 e está proibida de dizer que ela é ela mesma até a estréia do programa.

    23/10/2002

    Nem a pau que falo sobre a Mostra, suas filas, seus filmes e sobre quem fala mal da Mostra. Preguiça.

    23/10/2002

    TRAILER

    Placar parcial: 3 filmes com aplauso x 3 filmes sem aplauso. O desempate é hoje com Spider.

    23/10/2002

    Trevas, escuridão, estupidez, agonia, ânsia, frustração, insuficiência, incapacidade, incompatibilidade.

    22/10/2002

    IRMÃOS

    Baianos se chamam Valdisnêy e Hanna Bárbera.

    22/10/2002

    ONE WORLD

    Programa dedicado exclusivamente ao selo novamute. Ouçaí e mande tudo pra porra. Principalmente depois do remix de Survivor, das Destiny’s Child, por S.I. Futures.